terça-feira, julho 26, 2005

Auto-estima

Uma coisa que não entendo são essas pessoas que gostam de magoar as outras e de brincar com o sentimento alheio. No texto abaixo o Alex escreveu uma coisa que sempre pensei: por mais difícil que seja levar um fora, não é pior que ter que rejeitar alguém, especialmente quando é alguém que você admira e por vezes até ama, só que fraternalmente.

Auto-Estima Sexual
Alex Castro

Eu nunca entendi os canalhas sexuais, essas pessoas que fazem baixezas com quem lhes dividiu a cama, que parecem ter ódio de quem lhes repartiu intimidade.
Não estou falando de rejeição. Rejeitar às vezes é inevitável. Mas rejeitar não significa humilhar, ferir, expor, mas somente constatar que nem sempre podemos retribuir o amor de quem nos ama. Rejeitar é muito mais difícil do que ser rejeitado e só sabe isso quem já sofreu muito antes de quebrar o coração alheio.
Em uma categoria semelhante aos canalhas sexuais estão aquelas pessoas que são brigadas com todos seus ex-namorados, ex-amantes, ex-maridos. Eu não sei nem como se consegue fazer isso. Toda mulher que eu já amei eu continuo amando. Continuo amigo das que me rejeitaram e continuo amigo das que rejeitei, e sou ainda mais amigo daquelas cuja relação foi amornando-se lentamente até consolidar-se em uma bela amizade.Minha única explicação para os canalhas sexuais é baixa auto-estima.
Em uma versão afetiva do aforismo marxista, essas pessoas se consideram tão ridículas e mesquinhas que qualquer um que tenha a desgraça de se interessar por elas só pode ser mais ridículo e mesquinho ainda, digno do pior tratamento, merecedor do mais sórdido despeito.(Na mais mínima medida, eu experimento um pouco disso em relação a alguns dos meus fãs mais extremados. Sempre respondo com um email padrão dizendo que, se sinceramente me acham isso tudo, é porque ainda não leram os mestres. E faço recomendações de leituras que incluem Thoreau, Miller, Freire, Emerson, Whitman, etc. Ocasionalmente, muitos meses depois, meus esforços são recompensados com um singelo email dizendo: "tens razão, és mesmo um merda, gênio era Thoreau!)
Mas até entendo os canalhas sexuais. Eles sabem, melhor do que ninguém, que são uns merdas. Como respeitar pessoas tão cegas que não enxerguem essa verdade auto-evidente, que ainda assim queiram envolvimento amoroso com tal escória?
Não há nada melhor do que uma saudável auto-estima. Se você se ama e tem noção das muitas qualidades que teve ter, não será nenhum fim do mundo que outra pessoa reconheça essas mesmas qualidades e se sinta atraída por elas.É por isso que é mais fácil abordar uma mulher bonita do que uma feia. A bela está acostumada a ser desejada, é fato natural da vida. Já a feia desconfia de tudo: o que esse cara quer aqui logo comigo? Será uma pegadinha?
Não há nada melhor da vida, pelo contrário, do que se apaixonar por alguém melhor do que a gente. Nossa auto-estima, já bastante saudável, se fortalece ainda mais de sabermos que uma pessoa mais inteligente, mais sexy, mais culta, mais safada, mais corajosa, mais impulsiva, mais forte, mais sabidinha, mais tudo de bom, está apaixonada por nós. O amor, ao contrário de confirmar nossa baixeza e nos impelir a baixezas ainda maiores, confirma nossas qualidades: se alguém assim nos deseja, então, realmente, devemos ter lá nosso valor, talvez mais valor até do que acreditávamos. É um amor que nos lisonjeia, nos avaliza, nos estimula a voar mais alto.Alguém que sinceramente ame a si mesmo jamais desprezará o amor do outro. Alguém que sinceramente ame a si mesmo jamais será um canalha sexual.

1 comentários:

Rodis disse...

Eu perco o amigo, mas não o comentário. Será que eu poderia receber um feedback epsecial (endereçar a rodisbarros@uol.com.br) me explicando o post desta terça??? Um beijão!