quinta-feira, maio 28, 2009

Ser um cronista

O que é ser um cronista? É enxergar o potencial de um fato corriqueiro de ser único ao mesmo tempo que ocorre repetidamente e transpô-lo ao papel. Mas principalmente, é aproximar a linha entre o jornalismo e a literatura.

Este escritor relata o que todos nós pensamos, mas que muitas vezes não nos damos conta, talvez por não pararmos para refletir sobre o que a todo tempo se passa. Outras vezes escrevem sobre o que nos frustra, revolta ou entristece.

Entretanto, só há uma coisa que o cronista não faz que é distanciar-se do seu tempo e seu é o agora.

Desde pouca idade, fui uma admiradora de cronistas. Mas hoje sei que a crônica é uma arte pouco reconhecida, ou pior, considerada de menor valor literário.

Porém, mesmo consciente desses problemas, sempre alimentei esse sonho de ser uma cronista - junto com o sonho de ser cineasta e crítica de arte. Com mais consciência ainda da minha falta de talento natural, vi que a melhor saída era me publicar.

Porque, caro único leitor amigo, se ninguém me publica, eu me publico.

5 comentários:

maria só disse...

Minha menina, gostei do que vi aqui, voltarei mais vezes
Adorei a sua frase: Porque, caro único leitor amigo, se ninguém me publica, eu me publico.
Foi mais ou menos isso o que eu pensei quando iniciei o meu blog!
Continúe assim!

Lica disse...

Olá! Confesso que gostei muito do seu blog. Até me identifiquei com ele. E, independente de ser o ser reconhecido, ele tem que ser mostrado, ou melhor, publicado. Parabéns!

Daniel P disse...

"Se ninguém me publica, eu me publico."

Realmente uma frase definitiva e definidora. Eu também sempre nutri essa paixão pelos cronistas, lembro que com 14 anos li vorazmente uma coletânea de crônicas de Rubem Braga, Paulo Mendes Campos e Fernando Sabino. O título do livro, mais conveniente, impossível: "Para gostar de ler".

Acho que, como escrevi em meu blog, eu virei "escritor" por motivos parecidos: para me transbordar através das palavras.

Amanda disse...

Daniel, q nostalgia, li alguns livros dessa coletânea, era ótimo :)

FaLaCo disse...

Otimo texto Amanda!
voce acertou em cheio quando disse: "É enxergar o potencial de um fato corriqueiro de ser único ao mesmo tempo que ocorre repetidamente e transpô-lo ao papel"
Penso isso o dia inteiro... vejo algo acontecer e logo penso: Vou escrever sobre isso!
Tenho um blog, da uma olhadela e ve se te agrada, falacoUK.blogspot.com
ciao ciao