domingo, junho 07, 2009

Quero a sorte de um amor tranquilo

Se tantos de nós andam por esse planeta a procura de amor, por que continuamos na busca?

Como resposta, eu apontaria o medo.

O medo virou uma prisão.

São muitos medos: de nos abrir, de tentar, de sermos magoados, preteridos, de depender, de não sermos correspondindos, de não dar certo (mais uma vez)...

Apesar do medo, ainda sinto algo diferente, uma ausência presente, quando ouça uma música romântica, quando leio sobre histórias de amor, ou vejo um filme. Mas ainda não me livrei do medo.

E você, caro único leitor amigo, de que você tem medo?

8 comentários:

Daniel P disse...

De todos, o maior dos meus medos ainda é o de sentir medo. Não se pode ter medo no amor.

Daniel P disse...

Aliás, já escrevi sobre medos em um post antigo (minha vez de fazer propaganda)

http://danieltpblog.blogspot.com/2009/02/do-que-voce-tem-medo-de-si-proprio.html

Clari... disse...

eu não consigo controlar meus medos e no momentos, além dos já listados, tem o medo da perfeição... Será mesmo que ele é tão perfeito? Pq eu já procurei defeito o quanto pude e não acho, então o defeito deve ser gravíssimo!!! Ai que medooooooooooooooo

Clari... disse...

eu não consigo controlar meus medos e no momentos, além dos já listados, tem o medo da perfeição... Será mesmo que ele é tão perfeito? Pq eu já procurei defeito o quanto pude e não acho, então o defeito deve ser gravíssimo!!! Ai que medooooooooooooooo

Amanda disse...

Clarissa, relaxa q os defeitos aparecerão!!!!

Daniel, vou lá olhar seu post :)

Amanda disse...

Clarissa, relaxa q os defeitos aparecerão!!!!

Daniel, vou lá olhar seu post :)

Daniel P disse...

Clari, não te preocupa.

Perfeição definitivamente não existe.

Eu tenho uma frase que gosto de usar, às vezes.

"Não existem pessoas perfeitas, mas sim intenções perfeitas"

Nely ✿ disse...

Amanda, cheguei até seu blog através da Clari e do Daniel! rs
Vou "favoritar"!
Bem, concorda que medo- fugaz ou duradouro- precede tudo que ainda não conhecemos e/ou sabemos?
O que sempre faz a diferença é se passamos por ele ou não.

Lembrei de frase de uma música da Legião Urbana:
"E o teu medo de ter medo de ter medo, não faz da minha força confusão..."